Manual do Galgo resgatado

  • Têm medo de entrar dentro de casa.
  • Resposta:  Normalmente nunca entraram, por isso têm medo para eles tudo é estranho e assustadoramente novo.
  • Não conseguem caminhar no chão dentro de casa pois escorregam e têm medo.
  • Resposta:   Têm de aprender a andar no interior, aconselha-se a cortar as unhas  e colocar tapetes nas partes mais escorregadias para não ganharem medo até se habituarem.
  • Não sabem subir nem descer escadas.
  • Resposta: É normal não saberem, têm de ser ensinados, é simples basta colocar-lhe as patas uma a uma nas escadas primeiro a subir, depois a descer, explicando com calma pois eles aprendem muito rápido. Em 48 horas já experimentam sozinhos e começam a dominar a técnica.
  • Não se deitam na cama deles, mas sim no chão.
  • Resposta: Nunca tiveram uma cama, não sabem o que é nem para que serve, têm de os deitar lá em cima para entenderem que é deles, que é fofa e depressa aprendem para o que serve e como é confortável.
  • Têm medo de tigelas e de comer.
  • Resposta:  Significa que foram alimentados no chão e têm medo de tigelas, convém colocar em suportes ou em cima de tapete de forma a não arrastarem e fazerem barulho no chão, para não se assustarem até se acostumarem, podem também ter medo de se alimentarem com pessoas perto ou outros animais o que também é frequente, deem-lhes espaço.
  • Não fazem nenhumas necessidades à trela.
  • Resposta:  Muito frequente, os galgos sempre viveram em canis ou terrenos, têm de ser habituados pois não conseguem descontrair de trela e só quando soltos em casa conseguem fazem ao início, uma das soluções é comprar uma corda de volteio com 4/5 metros e acrescentar à trela nos passeios para dar alguma privacidade e descontração e permitir assim habituarem-se mais depressa.
  • Não comem ração.
  • Resposta:  Normalmente os galgos das corridas nunca comeram ração, para os habituar basta misturar comida húmida ou carne com arroz na ração e ir retirando aos poucos até se habituarem.
  • Por vezes respiram de forma ofegante como se lhes faltasse o ar.
  • Resposta:  Os galgos resgatados acabados de adotar, dormiram sempre na rua e ao frio, a transição para casas aquecidas pode provocar-lhes acessos de calor e dar origem a essa respiração estranha que parece anormal, mas é apenas calor.
  • Passarem muitas horas deitados e sem fazer necessidades.
  • Resposta:  Ao início o medo, ansiedade e os nervos fazem com que evitem levantar-se e aguentem horas a fio só para não saírem da caminha com medo de ficarem sem ela, ou irem à rua e poderem não voltar a entrar, mas têm de ser levados de forma rotineira, colocando a trela no peitoral de pânico e coleira, pois apesar de custar muito aos donos ao início, têm de criar hábitos, regras e horários.
  • Rosnarem quando surpreendidos durante o sono noturno.
  • Resposta: Alguns galgos têm esta reação,  não é agressividade mas sim medo, não convêm surpreende-los com festas ou mantas ao início quando dormem, pois podem acordar assustados e sem querer reagirem, muitos galgos eram acordados e obrigados a fazer coisas que não queriam e até se habituarem que a vida mudou, convém dar-lhes espaço, tempo e deixa-los começar a confiar em vós primeiro.
  • Tentarem fugir.
  • Resposta:  98% dos galgos resgatados vêm cheios de medos, stress, ansiedade, pânico, alguns de todas as pessoas, outros só de homens, outros de cães, barulhos, eles nunca saíram das suas quintas ou herdades a não ser para treinos e corridas, viveram sempre em boxes e canis,  tudo na cidade é novo e assustador, mesmo as pessoas que os adotaram e que ainda nem as conhecem nem confiam, até criarem laços com elas e se habituarem à vida citadina leva muitos meses e em geral um ano a ficarem perfeitamente adaptados, daí os peitorais de pânico com 3 pontos de apoio serem o melhor amigos dos donos, para evitar serem surpreendidos quando menos esperam a literalmente “despirem” as coleiras e peitorais normais, como todos têm conhecimento.
  • Como ajudar um galgo a perder o medo.
  • Resposta:  De preferência com outro galgo ou outro cão que não tenha medo, seja tranquilo e já devidamente adaptado aos donos, ou solicitar ajuda de um treinador experiente para fazer adaptação de preferência numa matilha equilibrada, os galgos adaptam-se mais depressa com outro ou outros sem medo e já ensinados.
  • Largarem pelo e fazerem caspa ao início.
  • Resposta: Os galgos que viveram sempre na rua têm um pelo mais espesso chamado “pelo do canil” que os ajuda a protegerem-se do frio, quando mudam para dentro de casa o pelo irá começar a mudar, ficar mais fino, sedoso e brilhante, acontece muito ao início depois de tomarem pela primeira vez banho a pele secar e fazerem caspa, para melhorar a pelagem do seu galgo, é recomendável a utilização de pipetas de ácidos gordos que vão fortalecer a barreira dérmica e promover uma pelagem macia e brilhante, recomenda-se também o uso de óleo de salmão na ração.
  • Quando se pode soltar um galgo.
  • Resposta: Dependendo do grau de trauma do animal adotado, os galgos demoram sempre muitos meses mais de 6 meses até poderem ganhar confiança para serem soltos em campo aberto ou na praia, sem  estarem devidamente ambientados com a família, conhecerem o caminho para casa, reconhecerem  o seu próprio nome, estarem já habituados aos donos e seu chamamento e principalmente após terem  sido muitas vezes soltos em recintos fechados e testada a sua obediência para que tenham a certeza que confiam no dono e obedecem quando os chamam ou quando se assustam, de outra forma poderão nunca mais o ver, ele fugir, não voltar e ser atropelado.
  • Qual a melhor raça para interagir com um galgo.
  • Resposta: Galgos reconhecem-se uns aos outros como se todos fizessem parte de uma enorme família, a melhor raça para interagir é outro galgo, a sua velocidade, personalidade muito peculiar, as suas brincadeiras de mordiscar pescoço, cauda e pernas uns dos outros a correrem é melhor interpretada entre a raça, do que com outras raças que por vezes lhes mordem por não entenderem que é brincadeira.
  • Porque é difícil adotar um galgo.
  • Resposta: Sim é difícil, os galgos são MUITO diferentes dos outros cães, o seu comportamento e personalidade não é em nada semelhante ao comportamento do típico cão que todos estão habituados, os galgos são a raça mais maltratada do mundo, têm traumas profundos, são difíceis de cativar, independentes, desconfiados, medrosos, ansiosos, dão muita luta até confiarem em nós, têm de ser conquistados através de amor e confiança, são muito sensíveis e emotivos, inteligentes e perspicazes, são extremamente rápidos e com uma visão extraordinária, têm ativado o chip do movimento e perseguem tudo o que corre e se move, distanciando-se de nós em segundos, conseguem tirar coleiras e peitorais de dois apoios com uma facilidade surpreendente, conseguem pular vedações e muros altíssimos alguns deles com mais de 3 metros, conseguem sair por janelas entreabertas e por vezes aprendem a abrir portas, odeiam estar sozinhos, deprimem com a solidão, choramingam muito, conseguem fazer 40k/ hora a caminhar e por isso distanciarem-se em caso de fuga km’s em pouco tempo. São cães de caça e por isso não convém adotar galgos quem tem ou tenha vizinhança com galinhas, patos, coelhos, ovelhas, estes adotantes devem ter muros com mais de 3 metros, porque redes eles trepam, rasgam ou escavam por baixo. Por todos estes motivos são também uma raça que se torna um desafio para quem os adota, um teste há nossa perseverança, persistência, determinação, para ultrapassar os desafios que eles nos colocam, à nossa capacidade de nos transformar em terapeutas e tratar os seus traumas e inseguranças, os medos, as dificuldades. A sua extrema ternura, doçura e gratidão eterna tocam a alma de quem os adota e aprende a interpretar os seus sentidos, conhecendo um conhece todos…. Para quem nunca teve um, tem de esperar no mínimo um mês até a verdadeira personalidade do animal que adota começar a desabrochar, e um ano até estar devidamente adaptado. A minha frase para quem nunca teve um é “Primeiro estranha-se…depois entranha-se.” Boa sorte e pense bem antes de preencher o formulário de adoção!

(to be continued…)

Texto de Cristina Gonçalo www.katefriends.org     

Os animais têm depressões

Sim, caros amigos, tal como nos humanos, os animais  também  pode ficar deprimidos. 

Nos animais de estimação, um dos principais sintomas é a falta de interesse pelas actividades rotineiras, como comer, passear, brincar.
A origem pode ser genética ou causada por doenças, como viroses.
Manter um animal isolado do carinho do dono ou preso num ambiente pequeno e sem estímulos também pode gerar depressão, até mesmo o estado depressivo do dono pode afectar o animal.

Para evitar que isso aconteça crie na medida do possível rotinas de passeios e brincadeiras,  deixe-o partilhar a sua companhia e estar dentro de casa, fale com ele, aprenda a adaptar a sua vida às necessidades do seu animal e as férias de forma a poder levá-lo consigo vai ver que é bem menos complicado do que parece.