Manual do Galgo resgatado

  • Têm medo de entrar dentro de casa.
  • Resposta:  Normalmente nunca entraram, por isso têm medo para eles tudo é estranho e assustadoramente novo.
  • Não conseguem caminhar no chão dentro de casa pois escorregam e têm medo.
  • Resposta:   Têm de aprender a andar no interior, aconselha-se a cortar as unhas  e colocar tapetes nas partes mais escorregadias para não ganharem medo até se habituarem.
  • Não sabem subir nem descer escadas.
  • Resposta: É normal não saberem, têm de ser ensinados, é simples basta colocar-lhe as patas uma a uma nas escadas primeiro a subir, depois a descer, explicando com calma pois eles aprendem muito rápido. Em 48 horas já experimentam sozinhos e começam a dominar a técnica.
  • Não se deitam na cama deles, mas sim no chão.
  • Resposta: Nunca tiveram uma cama, não sabem o que é nem para que serve, têm de os deitar lá em cima para entenderem que é deles, que é fofa e depressa aprendem para o que serve e como é confortável.
  • Têm medo de tigelas e de comer.
  • Resposta:  Significa que foram alimentados no chão e têm medo de tigelas, convém colocar em suportes ou em cima de tapete de forma a não arrastarem e fazerem barulho no chão, para não se assustarem até se acostumarem, podem também ter medo de se alimentarem com pessoas perto ou outros animais o que também é frequente, deem-lhes espaço.
  • Não fazem nenhumas necessidades à trela.
  • Resposta:  Muito frequente, os galgos sempre viveram em canis ou terrenos, têm de ser habituados pois não conseguem descontrair de trela e só quando soltos em casa conseguem fazem ao início, uma das soluções é comprar uma corda de volteio com 4/5 metros e acrescentar à trela nos passeios para dar alguma privacidade e descontração e permitir assim habituarem-se mais depressa.
  • Não comem ração.
  • Resposta:  Normalmente os galgos das corridas nunca comeram ração, para os habituar basta misturar comida húmida ou carne com arroz na ração e ir retirando aos poucos até se habituarem.
  • Por vezes respiram de forma ofegante como se lhes faltasse o ar.
  • Resposta:  Os galgos resgatados acabados de adotar, dormiram sempre na rua e ao frio, a transição para casas aquecidas pode provocar-lhes acessos de calor e dar origem a essa respiração estranha que parece anormal, mas é apenas calor.
  • Passarem muitas horas deitados e sem fazer necessidades.
  • Resposta:  Ao início o medo, ansiedade e os nervos fazem com que evitem levantar-se e aguentem horas a fio só para não saírem da caminha com medo de ficarem sem ela, ou irem à rua e poderem não voltar a entrar, mas têm de ser levados de forma rotineira, colocando a trela no peitoral de pânico e coleira, pois apesar de custar muito aos donos ao início, têm de criar hábitos, regras e horários.
  • Rosnarem quando surpreendidos durante o sono noturno.
  • Resposta: Alguns galgos têm esta reação,  não é agressividade mas sim medo, não convêm surpreende-los com festas ou mantas ao início quando dormem, pois podem acordar assustados e sem querer reagirem, muitos galgos eram acordados e obrigados a fazer coisas que não queriam e até se habituarem que a vida mudou, convém dar-lhes espaço, tempo e deixa-los começar a confiar em vós primeiro.
  • Tentarem fugir.
  • Resposta:  98% dos galgos resgatados vêm cheios de medos, stress, ansiedade, pânico, alguns de todas as pessoas, outros só de homens, outros de cães, barulhos, eles nunca saíram das suas quintas ou herdades a não ser para treinos e corridas, viveram sempre em boxes e canis,  tudo na cidade é novo e assustador, mesmo as pessoas que os adotaram e que ainda nem as conhecem nem confiam, até criarem laços com elas e se habituarem à vida citadina leva muitos meses e em geral um ano a ficarem perfeitamente adaptados, daí os peitorais de pânico com 3 pontos de apoio serem o melhor amigos dos donos, para evitar serem surpreendidos quando menos esperam a literalmente “despirem” as coleiras e peitorais normais, como todos têm conhecimento.
  • Como ajudar um galgo a perder o medo.
  • Resposta:  De preferência com outro galgo ou outro cão que não tenha medo, seja tranquilo e já devidamente adaptado aos donos, ou solicitar ajuda de um treinador experiente para fazer adaptação de preferência numa matilha equilibrada, os galgos adaptam-se mais depressa com outro ou outros sem medo e já ensinados.
  • Largarem pelo e fazerem caspa ao início.
  • Resposta: Os galgos que viveram sempre na rua têm um pelo mais espesso chamado “pelo do canil” que os ajuda a protegerem-se do frio, quando mudam para dentro de casa o pelo irá começar a mudar, ficar mais fino, sedoso e brilhante, acontece muito ao início depois de tomarem pela primeira vez banho a pele secar e fazerem caspa, para melhorar a pelagem do seu galgo, é recomendável a utilização de pipetas de ácidos gordos que vão fortalecer a barreira dérmica e promover uma pelagem macia e brilhante, recomenda-se também o uso de óleo de salmão na ração.
  • Quando se pode soltar um galgo.
  • Resposta: Dependendo do grau de trauma do animal adotado, os galgos demoram sempre muitos meses mais de 6 meses até poderem ganhar confiança para serem soltos em campo aberto ou na praia, sem  estarem devidamente ambientados com a família, conhecerem o caminho para casa, reconhecerem  o seu próprio nome, estarem já habituados aos donos e seu chamamento e principalmente após terem  sido muitas vezes soltos em recintos fechados e testada a sua obediência para que tenham a certeza que confiam no dono e obedecem quando os chamam ou quando se assustam, de outra forma poderão nunca mais o ver, ele fugir, não voltar e ser atropelado.
  • Qual a melhor raça para interagir com um galgo.
  • Resposta: Galgos reconhecem-se uns aos outros como se todos fizessem parte de uma enorme família, a melhor raça para interagir é outro galgo, a sua velocidade, personalidade muito peculiar, as suas brincadeiras de mordiscar pescoço, cauda e pernas uns dos outros a correrem é melhor interpretada entre a raça, do que com outras raças que por vezes lhes mordem por não entenderem que é brincadeira.
  • Porque é difícil adotar um galgo.
  • Resposta: Sim é difícil, os galgos são MUITO diferentes dos outros cães, o seu comportamento e personalidade não é em nada semelhante ao comportamento do típico cão que todos estão habituados, os galgos são a raça mais maltratada do mundo, têm traumas profundos, são difíceis de cativar, independentes, desconfiados, medrosos, ansiosos, dão muita luta até confiarem em nós, têm de ser conquistados através de amor e confiança, são muito sensíveis e emotivos, inteligentes e perspicazes, são extremamente rápidos e com uma visão extraordinária, têm ativado o chip do movimento e perseguem tudo o que corre e se move, distanciando-se de nós em segundos, conseguem tirar coleiras e peitorais de dois apoios com uma facilidade surpreendente, conseguem pular vedações e muros altíssimos alguns deles com mais de 3 metros, conseguem sair por janelas entreabertas e por vezes aprendem a abrir portas, odeiam estar sozinhos, deprimem com a solidão, choramingam muito, conseguem fazer 40k/ hora a caminhar e por isso distanciarem-se em caso de fuga km’s em pouco tempo. São cães de caça e por isso não convém adotar galgos quem tem ou tenha vizinhança com galinhas, patos, coelhos, ovelhas, estes adotantes devem ter muros com mais de 3 metros, porque redes eles trepam, rasgam ou escavam por baixo. Por todos estes motivos são também uma raça que se torna um desafio para quem os adota, um teste há nossa perseverança, persistência, determinação, para ultrapassar os desafios que eles nos colocam, à nossa capacidade de nos transformar em terapeutas e tratar os seus traumas e inseguranças, os medos, as dificuldades. A sua extrema ternura, doçura e gratidão eterna tocam a alma de quem os adota e aprende a interpretar os seus sentidos, conhecendo um conhece todos…. Para quem nunca teve um, tem de esperar no mínimo um mês até a verdadeira personalidade do animal que adota começar a desabrochar, e um ano até estar devidamente adaptado. A minha frase para quem nunca teve um é “Primeiro estranha-se…depois entranha-se.” Boa sorte e pense bem antes de preencher o formulário de adoção!

(to be continued…)

Texto de Cristina Gonçalo www.katefriends.org     

GALGOS DE SANGUE UM NEGÓCIO MACABRO – DENÚNCIE SAIBA COMO

A vida da maioria dos galgos é de um sofrimento constante desde o dia em que nascem.

São explorados ainda muito pequenos (3 meses) para serem cães de corridas durante um curto período que termina entre os 2 e 3 anos. Com o desgaste excessivos dos músculos, articulações, discos intervertebrais em competições, e devido ao doping praticado por muitos dos seus detentores, os animais sofrem de doenças crônicas ainda muito jovens e alguns aparentam ter muito mais idade do que têm na realidade.

Após algumas denúncias efetuadas também a  órgãos de comunicação social, entre os quais a TVI, que passou a  15 de Outubro de 2019 às 20H43 no Jornal da 8h,  uma reportagem da  Jornalista  Alexandra Borges  sobre os maus tratos das corridas de galgos, onde apareceram testemunhas ligadas às corridas de galgos de cara tapada a confirmar a dura realidade da vida sofrida destes animais.

“Out of the record”, foi denunciado  por elementos ligados à FNG (Federação Nacional de Galgueiros), que não concordam com as práticas dos seus  “colegas”, que 80% dos galgos que competem  em corridas de lebre mecânica, e de corridas de lebres vivas a corricão no nosso país, quando lesionados, doentes ou impossibilitados de serem dadores de sangue, o seu destino é a morte ou o abandono, sendo lhes extraído o chip (quando têm) e raspadas ou efetuados golpes no interior das orelhas para invalidar a leitura das tattoos (quando as têm).

Galgos são a única raça canina que se qualificam como doadores universais de sangue. O tamanho da raça e personalidade tornou-os infelizmente perfeitos para este procedimento. O estilo de corpo permite encontrar veias mais fácil.  Todos os animais dadores de sangue deveriam fazer um intervalo de pelo menos 3 meses na sua qualidade de dador.

O sangue do galgo tem ainda a vantagem adicional de ser particularmente rico em glóbulos vermelhos. Estas qualidades fazem o sangue do galgo ainda mais desejável para uso médico e uma fonte de rendimento acrescida, para aos galgueiros que se dedicam a este negócio.

Desta forma os galgos tornaram-se em Portugal e no mundo, vítimas das suas próprias qualidades excecionais.

Em Portugal muitos detentores de galgos começaram a ver aqui uma fonte de rendimento para os seus cães que ainda utilizam nas corridas, bem como os que já não servem para elas, transformando-os em prisioneiros para extração de sangue até completarem 5 anos, idade limite para um galgo poder ser dador.

Muitos galgos de corrida são alojados em instalações espalhadas pelo país no Norte, no Centro e no Sul, onde os mantêm doadores “cativos” até não poderem servir mais.

Estas estruturas são ilegais e não são controladas por nenhuma entidade fiscalizadora.

O que acontece a todos os galgos dadores cativos após completarem 5 anos?

DENUNCIE NÃO OMITA NÃO ENCUBRA:

LIGUE PARA AS LINHAS DE APOIO AOS MAUS TRATOS ANIMAIS DE PORTUGAL:

SEPNA

Tel. 808 200 520

E-mailsepna@gnr.pt dsepna@gnr.pt

PSP DEFESA ANIMAL

Tel. 21 765 42 42

E-maildefesanimal@psp.pt

POLÍCIA JUDICIÁRIA

chefepiquetelx@pj.pt

+351 21 967 000

CONTACTE PAN LISBOA E PORTO:

+351 969 954 184

accaojuridica@pan.com.pt

+351 228 329 273 

CONTACTE A KATEFRIENDS:

Email: katefriends@katefriends.org

+ 351 919397462

História dos Galgos

Galgo, a sua história

O Greyhound tem mais de 6.000 anos de história. Evidências disso foram descobertas em túmulos, com esculturas de cães de pernas longas, focinhos compridos e pescoços compridos em Catal-Huyuk, que é hoje o sudoeste da Turquia. Essas esculturas remontam a 6000 a.C. e sabemos que durante esse tempo, esculturas ou desenhos representavam algo de valor. Figuras famosas  históricas conhecidas como  Cleópatra, Alexandre o Grande, Rainha Elizabeth I, Rainha Victoria e General George Custer, tiveram galgos.
Durante os tempos egípcios, os faraós conhecidos por possuir galgos foram, Tutancâmon, Amenófis II, Tutmés III, Rainha Hatshepsut, Cleópatra VII, e Alexandre o Grande que possuía um galgo chamado Peritus, que cavalgava ao seu lado em muitas grandes batalhas. Durante uma fatídica batalha, Peritus lutou para atacar um elefante e como se  pode imaginar, Peritas perdeu essa batalha. Mas como Alexandre ficou tão impressionado com esse ato de bravura, ele nomeou uma cidade  de Peritus e mandou construir  e erguer  uma estátua em homenagem ao seu cão na praça da cidade.

Durante a fome da Idade Média, os galgos quase se extinguiram, os clérigos é que os salvaram e criaram para a nobreza. O rei Howell do País de Gales estabeleceu uma lei que tornava o assassinato de um galgo uma ofensa punível com a morte. Em 1014, o rei Canuto da Inglaterra estabeleceu uma lei que proibia os plebeus de possuírem esses cães de caça régios. Plebeus apanhados com esses cães foram severamente punidos e matar um galgo foi uma sentença punível com a morte. Cães em geral durante esta época foram desprezados, enquanto o Greyhound foi considerado altamente valorizado. Nos túmulos durante este tempo, os galgos são descritos como símbolos de poder, junto com o leão para simbolizar a força.

O período da Renascença trouxe consigo muitos novos artistas e galgos foram um foco frequente em pinturas. Artistas como Veronese, Pisanello e Uccello imortalizaram os galgos nas suas obras de arte.

Com o advento da era vitoriana, a realeza não eram as únicas pessoas autorizada a possuir galgos. As pessoas que ascendiam em status elevados começaram a gostar da raça, que começou a ser usada para perseguir lebres em campo. Muitos desses eventos foram moda na altura mas posteriormente a 2005, tornaram-se ilegais os eventos de lebre na Inglaterra e no País de Gales, e a Copa de Waterloo não ocorreu desde então.

Galgos chegaram à América com os exploradores espanhóis durante os anos 1500 e foram alguns dos primeiros cães registrados em exposições de cães americanos durante os anos 1800, de acordo com o American Kennel Club (AKC). Houve alguns galgos famosos nas Américas durante os tempos coloniais, entre eles um galgo chamado Azor, do líder militar alemão e que foi a companhia do barão Von Stueben, durante um longo inverno em Valley Forge, enquanto o Exército Continental estava sendo treinado durante a Guerra Revolucionária. Azor foi relatado como um galgo muito grande com grandes patas que acompanhavam Von Stueben em todos os lugares.

General Custer e seus Greyhounds

Em meados de 1800, os galgos foram importados da Irlanda e da Inglaterra principalmente para caçar os coelhos e proteger as plantações dos agricultores, tornaram-se vitais para os proprietários de  fazendas no meio-oeste americano. Um famoso dono de galgos durante este tempo foi o general George Custer. Dizem que na véspera da batalha em Little Big Horn, o General Custer enviou os seus galgos para a cidade com um de seus oficiais militares, para garantir a segurança de seus cães. Custer foi relatado como possuindo mais de 40 galgos.

Foi depois de ano de 1900 que as corridas de galgos foram introduzidas nas Américas. Owen Patrick Smith inventou a isca de coelho artificial que se movia em uma pista circular em Emeryville, Califórnia em 1926. Este seria o começo das corridas de galgos nos EUA, mas realmente foi só depois do ano 1930 que as corridas de galgos começaram a existir, e os galgos a serem explorados duma forma desumana e cruel, perdendo todo o respeito e dignidade que durante séculos lhes foi atribuído, para serem explorados e forçados a correr, beneficiando uma indústria competitiva e organizada, onde é permitido que o público aposte no resultado, e a maioria dos animais dopados, descartados ou mortos no final.

O galgo é o primeiro cão mencionado na literatura. A primeira menção de qualquer raça canina na literatura remonta a cerca de 800 aC. Na literatura grega, um livro chamado The Odyssey contou a história de um homem chamado Odysseus que saiu de casa por 20 anos. Quando chegou em casa, o único que o reconheceu foi seu Greyhound “Argus”, que era apenas um filhote quando saiu de casa.

O galgo é a única raça de cão mencionado na Bíblia (versão King James, Provérbios 30: 29-31)

29 “Existem três coisas que são magníficas, sim, quatro únicas e majestosas de se ver;”
30 “Um leão, o mais forte entre os animais e que nada teme;”
31 “Um galgo; Um bode também; E um rei  à frente de seu exército.”

Cheetah vs Greyhound – World’s Fastest Dog In Super Slow Motion

Greyhound o segundo animal de quatro patas mais veloz do Mundo em slow motion,

Os galgos tal como todos os cães gostam de correr mas para  brincar e divertirem-se com outros cães.

Galgos não gostam de correr  por imposição e obrigação como acontece  nas corridas de galgos onde são explorados, levados até ao limite e depois descartados.

Este é o principal motivo do seu abandono, tortura e morte em todo o Mundo.

Cães podem realmente amar seus donos (descoberto hormônio do amor em animais de estimação)

Cães podem realmente amar seus donos

Pesquisadores testaram níveis de oxitocina, o “hormônio do amor”, em animais de estimação

Pesquisadores afirmam que animais domésticos realmente amam seus donos. Experimentos descobriram que os animais também liberam oxitocina – o mesmo “hormônio do amor” que em seres humanos cria laços e vínculos nos relacionamentos.
A oxitocina é liberada em nosso organismo em diversas situações sociais e os nossos corpos a produzem em altas concentrações durante interações sociais positivas, como ao se apaixonar, experimentar um orgasmo, realizar um parto e amamentar.
Paul Zak, professor da Claremont Graduate University, na Califórnia, realizou vários testes para medir os níveis do hormônio que eram liberados quando os animais interagiam com outros animais e seres humanos.
A equipe obteve amostras de sangue de um terrier de raça mista doméstica e uma cabra que regularmente brincavam um com o outro.
— O resultado foi muito surpreendente. O cão teve um aumento de 48% no índice do hormônio, o que é considerado alto até para um ser humano— comentou Zak.
Segundo ele, a oxitocina surge para ajudar nas ligações afetivas, e o estudo mostra que os animais domesticados formam ligações e sentem o amor da mesma forma que os humanos. Ele complementou dizendo que apenas os animais que foram domesticados aparentam mostrar essa resposta.
Em um segundo experimento, 100 pessoas coletaram amostras de sangue para estabelecer seus estados fisiológicos basais. Em seguida, os participantes se deslocaram para uma sala privada e brincaram com um cão ou gato por 15 minutos. Logo após, realizaram outra coleta e seus níveis de oxitocina foram medidos.
Durante o processo, os cientistas verificaram que as variações nos seres humanos diferem em cada um, assim como os animais produzem respostas diversas.
O estudo também concluiu que algumas pessoas simplesmente não são “pessoas de animais”, e não mostraram nenhum efeito quando lhe foi dado um filhote de cachorro para cuidar. Isso mostra que nem todos os indivíduos são estimulados por animais de estimação.

ver:http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticia/2014/04/caes-podem-realmente-amar-seus-donos-4487406.html

Nomes também usados para a raça Galgo

 

Lebréis – Em diversos países, os Galgos são chamados de Lebréis, em referência à grande atuação de diversas raças na caça à lebre. Essa nomenclatura é questionada por alguns especialistas. Consideram-na mal empregada, alegando o fato de que nem todas as raças de galgos são originariamente especialistas na caça à lebre

Sighthounds – Termo bastante utilizado para designar os Galgos. Em português, significa “Cães de caça pela visão”. Conforme denota a expressão: a visão – e não o faro – é o principal sentido usado pelos Galgos para caçar.

Gazehounds – Em diversos países, os Galgos tem essa denominação, em referência a atuação de algumas raças na caça à gazelas, sobretudo na antiguidade e idade média.

Graióides – Usado por poucos, é o jargão da anatomia que designa detalhadamente o tipo físico encontrado apenas em Galgos.

Windehunde – Maneira como os alemães chamam os Galgos. Em português, “cão dos ventos”, numa clara alusão à rapidez dessas raças.

23 Curiosidade sobre Galgos

1-  O Greyhound é  o cão mais rápido do mundo e o segundo animal de 4 patas
mais rápido do planeta.
2-  Pode alcançar 80/85 km/h
3-  Um galgo a correr passa 75% do tempo no ar.
4-  Os Galgos são a  raça com maior número de glóbulos vermelhos o que lhes permite enviar mais oxigénio para o músculos e assim correr mais rápido.
5-  A cauda dos galgos actua como um leme de direcção durante as corridas.
6-  Conseguem detectar objectos a mais de 800 metros de distancia.
7-  Os galgos têm um ângulo de visão de 270º o que significa que os galgos podem detectar objectos que se encontram atrás deles.
8-  Os galgos têm visão estereoscópica o que lhes permite ver objectos em movimento melhor do que os que se encontram parados.
9-  É possivelmente a raça de cães mais saudável e com menor tendencia para desenvolvimento de doenças hereditárias ou predisposição genética.
10-  Alguns galgos podem dormir com os olhos abertos.
11-  Os galgos são a raça de cães com a temperatura corporal mais alta.
12-  Têm um grupo sanguíneo universal e graças a isso são ocasionalmente utilizados para salvar vidas a outros cães.
13-  Têm uma grande capacidade para saltar podendo saltar até 9,14m.

14-  A maioria dos galgos tem muita dificuldade em sentar-se no solo directamente por ser uma posição muito desconfortável e mesmo quando se sentam apoiam-se nas patas traseiras não tocando completamente no chão.
15-  A pelagem dos galgos pode ter até 18 tonalidades e cerca de 55 combinações diferentes.
16-  O galgos são extremamente carinhosos, delicados, descontraídos e muito obedientes, deixando todas as pessoas  que conhecem um galgo pela primeira vez surpresas.

17-  A maioria têm um instinto muito elevado e apurado de caça que é actuado sempre que vê algo em movimento mesmo que nunca tenha caçado.
18-  Muitas pessoas famosas como Cleópatra, Al Capone, Frank Sinatra, Leonard Nimoy e Henrique VIII, entre muitos outros foram propritários de galgos ao longo da história.
19-  Shakespeare mensiona galgos em 11 das suas obras.
20-  O Greyhound é mencionado na introdução da célebre frase da  obra de “Don Quixote” de Miguel de Cervantes bem como noutras partes da obra.

En un lugar de la Mancha, de cuyo nombre no quiero acordarme, no ha mucho tiempo que vivía un hidalgo de los de lanza en astillero, adarga antigua, rocín flaco y galgo corredor.

21-  Antigamente os Galgos eram apenas reservados para Aristocratas, Nobres e Realeza.
22-  A raça dos Galgos é a unica que vem mencionada na Bíblia.
23-  Os Galgos são uma raça extremamente viciante, depois de ter um galgo irá sempre ter outro e outro,  pois são fascinantes, dóceis, extremamente inteligêntes, limpos e obediêntes.

Foto de Daffy & Tommy (irmãos)

Curiosidades caninas

.Dar chocolates aos cães pode ser fatal para eles. Um ingrediente do chocolate, a teobromina, estimula o sistema nervoso central e o músculo cardíaco. Cerca de 1 kg de chocolate ao leite, ou 146 gramas de chocolate puro podem matar um cão de 22 kg.

•Dois cães sobreviveram ao naufrágio do Titanic. Escaparam nos primeiros botes salva-vidas, que levavam tão poucas pessoas que ninguém se importou que eles estivessem ali.

•Já não existem mais Huskies Siberianos na Sibéria.

•O olfato dos cães é um dos melhores da natureza. Se as membranas situadas no nariz dos cães fossem estendidas, elas seriam maiores que o próprio cão.

•Cães de guarda são mais suscetíveis a atacar um estranho correndo, que um que esteja parado.

•Os cães selvagens que vivem em matilhas na Austrália são chamados Dingos.

•Os cães têm cerca de 100 expressões faciais, a maior parte delas é feita com as orelhas.

•Os cães veem cores, mas não tão nitidamente como os humanos.

•Os Norte Americanos gastam mais dinheiro em alimentos para cães do que para humanos.

•Quando os cães têm dor de barriga, comem mato para vomitar. Muitos acreditam que os cães preveem chuva quando comem grama, mas não passa de uma forma de aliviar a indigestão.

•Se um cão mantém o rabo erguido, é sinal de dominação.

GALGOS Origens, Raças e Caracteristicas

Os Galgos são conhecidos por serem rápidos e terem uma personalidade tímida.
São das raças mais antigas e oriundas de várias partes do mundo,  a magreza e fragilidade aparentes podem enganar,  esses cães  são robustos, fortes e resistentes e são os mais rápidos do mundo  a seguir à Chita.

O Galgo Whippet serviu de inspiração para o cachorrinho  ajudante do Pai Natal, na popular série de desenhos animados “Os Simpsons”.
Existem diversas raças de Galgos que variam de porte, pelagem, temperamento e habilidades. Eles podem ser pequenos como o Galguinho Italiano, ou enormes como o Irish Wolfhound, eleito a raça mais alta do mundo, podendo atingir cerca de um metro de altura. Também apresentam as mais contrastantes pelagens: longuíssima como no Afghan Hound e curta como no Whippet, Italian e no Greyhound, ondulada no Borzói, dura no Irish Wolfhound e no Deerhound e franjada no Saluki.
 
Mas algumas características são comuns em todas as raças de Galgos. São muito rápidos e velozes  e todos têm instinto de caça. Podem também  ser a companhia perfeita para quem gosta de actividades desportivas outdoor, dependendo do feitio e  idade do animal.
Tudo isso unido a uma doce timidez.
 
Costumam demonstrar seu afecto de forma subtil, abanando a cauda e dando uma lambida, ficando algum tempo por perto e retornando em seguida ao seu ócio. É por isso que se recomenda pessoas de temperamento calmo e assertivo para adoptarem um Galgo. São cães sensíveis, muito obedientes que não gostam nem necessitam de repreensões excessivas.
 
INTERESSADO nos magros, meigos  e velozes Galgos?
Confira mais características e descubra se você é o dono perfeito para um deles.
 
PERSONALIDADE
Raças com muita personalidade e temperamento independente. Por serem tímidos, podem de início demonstrar o seu afecto de forma subtil,  mas após criarem confiança são de completa devoção e obediência, também são muito limpinhos e silenciosos.
 
TAMANHO
Variam de porte pequeno, como o Galguinho Italiano com max de 38 cm de altura,  até aos  grandes, como o Irish Wolfhound, que pode atingir 1 metro.
 
PELAGEM
Há variações, de longuíssima até curta, ondulada, dura ou até franjada. Não precisam de banhos frequentes.
 
CUIDADOS
Gostam de  lugares quentinhos e macios, pois têm pouca gordura corporal. Recomenda-se também a utilização de agasalhos no inverno e coleiras mais largas, criadas especialmente para essas raças.
 
ESPAÇO
Ideais para casa ou apartamento por serem muito limpos e sossegados. Não foram feitos para dormir fora de casa,  pois sentem muito frio mas adoram estar no jardim ou terraço em dias de calor a apanhar solzinho.
 
SAÚDE
São raças fortes fisicamente. Somente o Galgo Italiano, por seu pequeno tamanho, é mais susceptível a fracturas nas patas. Com uma alimentação saudável e exercício frequênte, dificilmente têm problemas de saúde.
 
SOCIABILIDADE
Gostam da companhia dos seus donos, mais ainda do que de outros cães,  pois sofrem imenso com a solidão, daí que o ideal é ter Galgos aos pares. Dão-se bem com outros animais de estimação e até com gatos apesar de que neste caso convém fazer apresentações seguras em caso de galgos adotados adultos.
 
DICA DO CRIADOR
Cuidado ao passear com  Galgos soltos em lugares desconhecidos, por serem cães velozes e com íntinto de caça, podem-se distrair com alguma “presa” e partir em corrida frenética, frequentemente magoam-se resvalando e embatendo contra árvores, saltando por cima de ramos e troncos ou caindo em buracos podendo partir patas ou pior,  pois a velocidade que atingem quando em perseguição de algo torna-os um perigo para eles próprios, é quase impossível alcançá-los e o instinto da caça “fala” mais alto.
 
DONO IDEAL
Pessoas de temperamento calmo e assertivo. Pois são cães sensíveis e que não gostam de reprimendas excessivas, para além daqueles que querem uma companhia para fazer desporto como correr, andar de bicicleta ou a cavalo que eles adoram acompanhar correndo à frente claro!!!
 

      AQUI VOS DEIXO  TODOS OS GALGOS QUE EXISTEM

   AFGHANHOUND – Galgo Afegão
 Consta que foi o representante canino que Noé     escolheu para levar     na Arca.
   Lebréis de Pêlo Longo ou Franjado
   Origem: Afeganistão
   Nome de Origem: Afghanhound
AZAWAKH – Galgo Africano
Lebréis de Pêlo Curto
Origem: Mali
Nome de Origem: Azawakh Tuareg Sloughi
BORZÓI – Galgo Russo
Lebréis de Pêlo Longo ou Franjado
Origem: Rússia
Nome de Origem: Russkaya Psovaya Borzaya
CHART POLSKI – Galgo Polaco 
Lebréis de Pêlo Curto
Origem: Polónia
Nome de Origem: Chart Polski
DEERHOUND – Galgo Escocês
Lebréis de Pêlo Duro
Origem: Grã-Bretanha
Nome de origem: Deerhound
  GALGO ESPANHOL- O mais comum confunde-se por vezes com o        Galgo Inglês Greyhound, muito  sacrificado e abandonado por causa
  das corridas e da caça.
   Lebréis de Pêlo Curto
                                        Origem: Espanha
                                         Nome de Origem: Galgo Espanhol
GREYHOUND – Galgo Inglês, o mais conhecido dos galgos devido ao enorme abandono após os 2 anos e maus tratos causados pelos treinos e corridas.
Lebréis de Pêlo Curto
Origem: Grã-Bretanha
                                                  Nome de Origem: English Greyhound
        IBIZAN HOUND – O Galgo das Ilhas Baleares
        Cães Spitz e Tipo Primitivo de Caça
        Origem: Espanha (Ilhas Baleares)
        Nome de Origem: Ca Eivissec
IRISH WOLFHOUND – Galgo Irlandes 
O Maior Cão do Mundo
Lebréis de Pêlo Duro
Origem: Irlanda
Nome de Origem: Irish Wolfhound
         ITALIAN GREYHOUND – Galguinho Italiano – O Menor           dos Galgos
        Lebréis de Pêlo Curto
        Origem: Itália
                                      Nome de Origem: Piccolo Levriero Italiano
      MAGYAR AGAR – Galgo Húngaro
      Lebréis de Pêlo Curto
      Origem: Hungria
      Nome de Origem: Magyar Agar
     PHARAOH HOUND – O Galgo dos Faraós
     Grupo 5 – Cães Spitz e Tipo Primitivo
     Origem: Malta
     Nome de Origem: Pharaoh Hound
      SALUKI – O Galgo Nobre do Alcorão
      Lebréis de Pêlo Longo ou Franjado
      Origem: Oriente Médio
      Nome de Origem: Saluki
     SLOUGHI – Galgo Árabe do Deserto
     Lebréis de Pêlo Curto
     Origem: Marrocos
     Nome de origem: Sloughi
      WHIPPET – O Galgo Inglês 
      Lebréis de Pêlo Curto
      Origem: Grã-Bretanha
      Nome de origem: Whippet

Correr é saudável mas tem limites

A princípio todos os cães podem correr, a menos que apresentem alguma doença que restrinja as atividades. Alguns, no entanto, têm um “dom especial”  para a corrida.

As raças mais adaptadas para a corrida pertencem ao grupo dos lebréis, como Whippet, Greyhound, Saluki, e Afganhound existindo porém muitos mais galgos.
Estes cães são ótimos, principalmente para curtas distâncias. Cães de caça e pastoreio também têm facilidade para correr, como o Border Collie (Grã-Bretanha). 

 

Em contrapartida, mesmo trotes curtos podem ser um suplício para outros cães. Raças com muito pêlo como o Akita (Japão), o Husky siberiano (Alasca) e os braquicefálicos como o Bulldog (Inglês) e o Pug (raça dos antigos imperadores chineses) podem não suportar exercícios intensos ou mais prolongados. Os primeiros devido ao excesso de pelo, que os faz sofrer com o calor, e os braquicefálicos por dificuldade na respiração, já que suas vias aéreas são muito estreitas.

 

O importante  é estar atento para não o deixar exagerar na corrida, não sofrer lesões, não desidratar, servindo assim a corrida para manter  a saúde do seu cão.