História dos Galgos

Galgo, a sua história

O Greyhound tem mais de 6.000 anos de história. Evidências disso foram descobertas em túmulos, com esculturas de cães de pernas longas, focinhos compridos e pescoços compridos em Catal-Huyuk, que é hoje o sudoeste da Turquia. Essas esculturas remontam a 6000 a.C. e sabemos que durante esse tempo, esculturas ou desenhos representavam algo de valor. Figuras famosas  históricas conhecidas como  Cleópatra, Alexandre o Grande, Rainha Elizabeth I, Rainha Victoria e General George Custer, tiveram galgos.
Durante os tempos egípcios, os faraós conhecidos por possuir galgos foram, Tutancâmon, Amenófis II, Tutmés III, Rainha Hatshepsut, Cleópatra VII, e Alexandre o Grande que possuía um galgo chamado Peritus, que cavalgava ao seu lado em muitas grandes batalhas. Durante uma fatídica batalha, Peritus lutou para atacar um elefante e como se  pode imaginar, Peritas perdeu essa batalha. Mas como Alexandre ficou tão impressionado com esse ato de bravura, ele nomeou uma cidade  de Peritus e mandou construir  e erguer  uma estátua em homenagem ao seu cão na praça da cidade.

Durante a fome da Idade Média, os galgos quase se extinguiram, os clérigos é que os salvaram e criaram para a nobreza. O rei Howell do País de Gales estabeleceu uma lei que tornava o assassinato de um galgo uma ofensa punível com a morte. Em 1014, o rei Canuto da Inglaterra estabeleceu uma lei que proibia os plebeus de possuírem esses cães de caça régios. Plebeus apanhados com esses cães foram severamente punidos e matar um galgo foi uma sentença punível com a morte. Cães em geral durante esta época foram desprezados, enquanto o Greyhound foi considerado altamente valorizado. Nos túmulos durante este tempo, os galgos são descritos como símbolos de poder, junto com o leão para simbolizar a força.

O período da Renascença trouxe consigo muitos novos artistas e galgos foram um foco frequente em pinturas. Artistas como Veronese, Pisanello e Uccello imortalizaram os galgos nas suas obras de arte.

Com o advento da era vitoriana, a realeza não eram as únicas pessoas autorizada a possuir galgos. As pessoas que ascendiam em status elevados começaram a gostar da raça, que começou a ser usada para perseguir lebres em campo. Muitos desses eventos foram moda na altura mas posteriormente a 2005, tornaram-se ilegais os eventos de lebre na Inglaterra e no País de Gales, e a Copa de Waterloo não ocorreu desde então.

Galgos chegaram à América com os exploradores espanhóis durante os anos 1500 e foram alguns dos primeiros cães registrados em exposições de cães americanos durante os anos 1800, de acordo com o American Kennel Club (AKC). Houve alguns galgos famosos nas Américas durante os tempos coloniais, entre eles um galgo chamado Azor, do líder militar alemão e que foi a companhia do barão Von Stueben, durante um longo inverno em Valley Forge, enquanto o Exército Continental estava sendo treinado durante a Guerra Revolucionária. Azor foi relatado como um galgo muito grande com grandes patas que acompanhavam Von Stueben em todos os lugares.

General Custer e seus Greyhounds

Em meados de 1800, os galgos foram importados da Irlanda e da Inglaterra principalmente para caçar os coelhos e proteger as plantações dos agricultores, tornaram-se vitais para os proprietários de  fazendas no meio-oeste americano. Um famoso dono de galgos durante este tempo foi o general George Custer. Dizem que na véspera da batalha em Little Big Horn, o General Custer enviou os seus galgos para a cidade com um de seus oficiais militares, para garantir a segurança de seus cães. Custer foi relatado como possuindo mais de 40 galgos.

Foi depois de ano de 1900 que as corridas de galgos foram introduzidas nas Américas. Owen Patrick Smith inventou a isca de coelho artificial que se movia em uma pista circular em Emeryville, Califórnia em 1926. Este seria o começo das corridas de galgos nos EUA, mas realmente foi só depois do ano 1930 que as corridas de galgos começaram a existir, e os galgos a serem explorados duma forma desumana e cruel, perdendo todo o respeito e dignidade que durante séculos lhes foi atribuído, para serem explorados e forçados a correr, beneficiando uma indústria competitiva e organizada, onde é permitido que o público aposte no resultado, e a maioria dos animais dopados, descartados ou mortos no final.

O galgo é o primeiro cão mencionado na literatura. A primeira menção de qualquer raça canina na literatura remonta a cerca de 800 aC. Na literatura grega, um livro chamado The Odyssey contou a história de um homem chamado Odysseus que saiu de casa por 20 anos. Quando chegou em casa, o único que o reconheceu foi seu Greyhound “Argus”, que era apenas um filhote quando saiu de casa.

O galgo é a única raça de cão mencionado na Bíblia (versão King James, Provérbios 30: 29-31)

29 “Existem três coisas que são magníficas, sim, quatro únicas e majestosas de se ver;”
30 “Um leão, o mais forte entre os animais e que nada teme;”
31 “Um galgo; Um bode também; E um rei  à frente de seu exército.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *